Gravidez e as Mudanças na Pele

Gravidez e as Mudanças na Pele

O que muda na pele durante a gestação?

Durante as 40 semanas de gestação ocorrem muitas mudanças no corpo e também na pele da futura mamãe:
⁃ A tendência ao surgimento do melasma, mancha tão temida que pode ser influenciado pelos hormônios, deve ser evitada com o uso criterioso do filtro com fator elevado. Neste período alguns despigmentantes são contra indicados, porém o uso de vitamina C e outros antioxidantes deve ser feito
⁃ Surgimento de pintas escuras ou alterações das pintas antigas. O dermatologista deve acompanhar essas alterações de perto porque o melanoma pode ocorrer durante a gestação.
⁃ Escurecimento da pele da aréola e da mucosa vulvar. Geralmente clareiam após o parto
⁃ Surgimento da linha nigra. É o escurecimento da linha media do abdome. Pode persistir por alguns meses após o parto, mas involui sem tratamentos.
⁃ Piora ou início de lesões de acne. Os hormônios da gestação podem desencadear a acne. O tratamento é diferente da acne comum do adolescente.
Somente o dermatologista pode prescrever os produtos adequados sem prejudicar o bebê.

Aproveite esta fase, ela é preciosa e passa muito rápido!!!

Você sabe fazer o autoexame da sua pele?

Você sabe fazer o autoexame da sua pele?

Pois é, assim como no câncer da mama, o autoexame da pele é fundamental para diagnosticar precocemente o câncer de pele, especialmente o melanoma, o mais grave e letal de todos.

Mesmo que você tenha muitas pintas, o que às vezes dificulta observar o crescimento ou mudança de cor fique atento especialmente a alguns sinais como coceira e sangramento.

Nem todas as pintas que coçam ou sangram são cânceres de pele, mas quem vai dizer isto é o dermatologista, após minucioso exame físico e dermatoscópico da lesão.

Nos homens o melanoma ocorre muito frequentemente nas costas e na maioria das vezes é a parceira(o) quem observa que uma determinada pinta está “estranha”. Isso pode salvar uma vida!

Faça o seu check up anualmente com o seu dermatologista e treine seu olho para reconhecer possíveis mudanças na sua pele, afinal é o seu maior órgão e está literalmente exposto para ser cuidado e examinado por você!

 

autoexame

Bronzeamento Artificial

Bronzeamento Artificial

Em  11 /11/2009 a ANVISA (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) proibiu a utilização com finalidades estéticas das câmaras de bronzeamento artificial (resolução n° 641/2009). Baseado em dados da OMS (Organização Mundial de Saúde) que afirma que a radiação ultravioleta tem potencial carcinogênico, ou seja a exposição às lâmpadas contidas nas câmaras podem causar câncer da pele. Há muito tempo os dermatologistas vêm alertando os pacientes com relação à gravidade da exposição às lâmpadas de bronzeamento artificial.
A radiação ultravioleta emitida pelas máquinas é a UVA- ultravioleta A, que apresenta uma penetração mais profunda na pele
provocando além do envelhecimento precoce, alteração no DNA da célula aumentando o risco de desenvolver câncer de pele. A exposição por 10 minutos nas máquinas de bronzeamento equivalem à aproximadamente 1  hora sob o sol sem qualquer proteção. Em pessoas com menos de 30 anos  o bronzeamento artificial aumenta em até 75% o risco de desenvolver o  melanoma, câncer de pele de altíssima gravidade com potencial para  metástases.
Câncer de Pele

Câncer de Pele

Existem mais comumente três tipos de câncer de pele: Carcinoma basocelular: Corresponde à maioria dos tumores malignos da pele. Geralmente localizado em áreas expostas ao sol e principalmente em pessoas de pele clara. Tem início como uma “feridinha” ou “carocinho”, o crescimento é lento, mas não cicatriza espontaneamente. Não costuma dar metástases (acometer órgãos internos), porém pode provocar destruição da pele e tecidos próximos como ossos e cartilagens dependendo do tempo de evolução.

Carcinoma espinocelular: É o segundo mais comum, tem um caráter mais agressivo e pode dar metástases principalmente aqueles localizados nas mucosas como os lábios. Também promove destruição local da pele. Pode ser precedido por uma área mais avermelhada e descamativa chamada ceratose actínica. Esta, se não tratada, poderá evoluir para um nódulo endurecido ou uma área ferida como uma ulceração. O tratamento é sempre cirúrgico com cura completa na grande maioria dos casos.

Melanoma: Mais grave de todos os tumores malignos da pele. Acomete mais pessoas de pele clara e com histórico familiar para este câncer, principalmente familiares de 1o grau. Pode iniciar-se como uma pinta que já existia e mudou de cor, tamanho, e outras características ou pode surgir sobre a pele sem nenhuma pinta antecedente. O diagnóstico deve ser o mais precoce possível, pois, se não tratado, evoluirá certamente com metástases e morte. O tratamento deve ser sempre cirúrgico. O auto-exame ajuda muito na cura porque aumenta as chances de diagnosticar o tumor numa fase precoce.